Zaha Hadid (1950-2016), arquitetura transgressora no feminino

Zaha Hadid é a única mulher no restrito mundo dos star-architects, a única contemplada com o Pritzker.

Zaha Hadid (1950-2016) Foto: David Levene / The Guardian

Zaha Hadid (1950-2016)
Foto: David Levene / The Guardian

Tinha um traço inconfundível, de linhas curvas distendidas, ângulos agudos, planos sobrepostos, esse registo exclusivo que permite identificar a identidade das suas criações, quer sejam os edifícios que a notabilizaram e impuseram, quer sejam as criações, porventura menos conhecidas, no design de mobiliário, de calçado, ou de carros. Foi a autora de projetos visionários que, se nem sempre foram compreendidos, são indiscutivelmente impressivos. Com obra construída um pouco por todo o mundo, assinou alguns dos mais marcantes edifícios da arquitetura contemporânea.

Dubai Opera House Zaha Hadid, 2016

Dubai Opera House
Zaha Hadid, 2016

Conquistou a pulso cada centímetro do reconhecimento e da notoriedade que obteve: nasceu no Iraque, em 1950, licenciou-se em Matemática na Universidade Americana de Beirut e, depois, arquitetura no Office for Metropolitan Architecture, onde foi aluna de Rem Koolhaas. Conhecida como uma das mais importantes impulsionadoras do Desconstrutivismo, assumiu esse estilo próprio que a consagrou e lhe granjeou inúmeros prémios internacionais, entre críticas e elogios. Chega-nos agora a notícia da morte, vítima de ataque cardíaco.

Fica-nos o registo de uma obra monumental que ficará como a memória do nosso tempo, aquilo que, de alguma forma, nos definirá e dirá o que somos às gerações que, no futuro, quiserem conhecer a cultura do início do século XXI. Devemos à Zaha Hadid a possibilidade de inserir nesse nosso legado obras como: o Centro Rosenthal de Arte Contemporânea, em Cincinatti; a rampa de esqui Bergisel, em Innsbruck; o edifício da BMW, em Leipzig, o Phaeno Science Center, em Wolfsburg, na Alemanha; o pavilhão-ponte sobre o rio Ebro, em Saragoça; o MAXXI (Museo nazionale delle arti del XXI) de Roma, ou o projeto em que estava agora empenhada, as Serpentine Galleries, em Londres.

Pabellón Puente, Saragoça, Expo 2008

Pabellón Puente,
Saragoça, Expo 2008

Museu MAXXI, Roma Foto: Iwan Baan / ArchDaily

Museu MAXXI, Roma
Foto: Iwan Baan / ArchDaily

Fica, também, a memória de obras efémeras, como a Sala de Música de Câmara, para o Manchester International Festival, em 2009, ou a cenografia para o desfile da Chanel, na Semana da Moda de Paris, em 2011.

Chamber Music Hall Zaha Hadid Agosto 2009 Manchester International Festival

Chamber Music Hall
Zaha Hadid, Agosto 2009
Manchester International Festival
Foto: ArchDaily

Fica-nos a memória de uma arquiteta que trabalhava os edifícios como se fosse uma escultura.


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *