Memórias de Umberto Eco

Sinto um sopro de frio, levanto os olhos.
Porque é que o Sol se está a tornar negro?
Umberto Eco1

A noite surpreendeu-nos com a notícia da morte de Umberto Eco, envolta na brevidade crua das referências biográficas que o definem como “o escritor, filósofo, semiólogo, linguista e bibliófilo italiano” e “autor de O nome da Rosa”, mas são incapazes de descrever uma vida feita de tantos mundos.

Umberto Eco (1932 -2016)

Umberto Eco (1932 -2016)

Conheci Umberto Eco através da mais enfadonha das obras, Como se faz uma tese, em ciências humanas, mas foi com a orientação dela que fiz os trabalhos na licenciatura e que continuei a utilizar como manual. Quase ao mesmo tempo, fui surpreendida pelo fascínio de O nome da rosa, que me dava uma visão do tempo medieval, simultaneamente afim e alternativa, à que tinha na faculdade, incapaz de parar antes de chegar ao fim, presa às deduções do frade Willian de Baskerville e deslumbrada com a descrição da biblioteca. Depois, O pêndulo de Foulcauld, novamente presa a partir do momento em que Casaubon se escondeu no Musée des Artes et Métiers, no início de longa espera, descortinando a vida oculta dos bastidores do museu, numa nova procura do Santo Graal, e tendo, uma vez mais, como pano de fundo, o mundo maravilhoso dos livros. Depois, foram os outros, num crescendo de gosto: A ilha do dia antes e uma extraordinária evocação da vida e das memórias que se prende às coisas, quando o náufrago encontra o navio deserto; Baudolino, com a história do maior mentiroso, que deambula à procura de mundos exóticos, povoados de eunucos, unicórnios e outras estranhas figuras, a busca de Preste João, e chega a forjar o Santo Graal, a partir da tigela de madeira que pertencera ao pai; o Cemitério de Praga, de que o Jorge Vaz de Carvalho me falou longamente, antes de o poder ler talvez a ficção mais verídica de Umberto Eco, onde a falsificação conhecida como “Os protocolos dos sábios de Sião” se propaga como se fosse verídica e com cruéis consequências para a história presente. Entre eles, A misteriosa chama da rainha Loana, com a história de Giambattista Bodoni, Yambo, um vendedor de livros antigos que perde a memória episódica, e é pretexto para um extraordinário elenco de referências da vida e da cultura contemporânea. É neste livro que centro as minhas memórias de Umberto Eco, o autor que não morreu, porque tenho aqui na estante, à espera do tempo que não tenho tido, o Número Zero.

Foi, porém, a Obra aberta que, juntamente com os textos Roland Barthes, determinou a forma como estudo, da história da arte à museologia. Foi a partir de Eco que a semiótica se tornou pansemiótica, enquadrando a investigação polissémica e transversal da comunicação visual. Lido e relido, Umberto Eco tornou-se a referência, em obras como Arte e beleza na estética medieval, A definição da arte, História da beleza, História do feio, A vertigem das listas.

Referência inevitável, relembro as últimas aulas do último semestre e a forma como os meus alunos descobriram, leram e interpretaram o texto de “O hábito fala pelo monge”, a confirmar a atualidade e a vivacidade do pensamento de Eco, capaz de dar sentido às coisas mais ínfimas da vida e mais óbvias do nosso quotidiano.

Foi a partir de um texto de Eco, que comecei a ler no ipad, sem trair o gosto pelo livro, pelo cheiro do papel e da tinta, pela voluptuosidade de virar a página.

Sempre acalentei a secreta esperança de o vir a conhecer. Percorri a universidade de Bolonha com a íntima expetativa de encontrar o Mestre. E acabo de descobrir agora que isso já não será possível. Resta-me a certeza de ainda ter ali, à minha espera, o Número zero e todos os outros textos, lidos, alguns ainda não lidos, outros cuja releitura é sempre renovada e inesperada.

Fontes das imagens:
http://static.prsa.pl/images/877b8ea9-6177-4b53-8718-8ca8d3c3e11f.jpg
http://www.fanpop.com/clubs/poets-and-writers/images/35867431/title/umberto-eco-photo

  1. Eco, U. (2005). A misteriosa chama da rainha Luana. Lisboa: Difel, p. 414. []

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *