Nudez, arte e linguagem

O corpo e a nudez são objeto recorrente da criação artística, refletindo os modelos conceptuais e estéticos de cada época. A representação do corpo nu transforma-o numa ficção iconográfica artificial que lhe atenua a carga de erotismo subjacente à maioria dos contextos civilizacionais. A nudez na arte é apreendida através do significado da representação, onde o sentido prevalece sobre a forma: as Vénus paleolíticas são vinculadas aos ritos de fertilidade; nas civilizações pré-clássicas do Próximo Oriente, a representação do corpo obedece a padrões convencionais; a arte clássica aborda o corpo com crescente naturalismo, até aos limites da harmonia, perfeição e equilíbrio como ideal de beleza; durante a Idade Média, a moralidade cristã impôs uma maior contenção na representação da nudez e uma deliberada deformação do corpo, separando os modelos da criação humana do arquétipo de perfeição exclusivo da criação divina; o Renascimento recupera os modelos da arte clássica, atualizados por um interesse crescente pelos estudos anatómicos; a partir do Maneirismo, ao mesmo tempo que as prescrições tridentinas impunham restrições à representação das figuras religiosas, os artistas conquistaram uma maior liberdade de expressão e na utilização do nu, conferindo-lhe uma materialidade e expressividade que se tornam quase excessivas no Barroco, onde a espiritualidade, por vezes, se confunde com emoção física e o corpo ganha voluptuosidade e textura, abrindo caminho ao erotismo.

Olympia Edouard Manet, 1863 Paris, Musée d'Orsay

Olympia
Edouard Manet, 1863
Paris, Musée d’Orsay

A pintura “Olympia”, pintada por Edouard Manet em 1863, foi motivo de escândalo ao ser apresentada no Salon de Paris, em 1865:

Olympia ne s’explique d’aucun point de vue, même en la prenant pour ce qu’elle est, un chétif modèle étendu sur un drap […]. Nous excuserions encore la laideur, mais vraie, étudiée, relevée par quelque splendide effet de couleur […]. Ici, il n’y a rien, nous sommes fâchés de le dire, que la volonté d’attirer les regards à tout prix.” (Théophile Gautier, Le moniteur universel, 1865, cit. in “Dossier Manet”, 2006).

Manet foi rejeitado, até pelos pares, como “vulgar”, “provocador” e “imoral”, apenas interessado em provocar e chamar a intenção. Em contrapartida, Émile Zola, que gostava de denunciar o que considerava ser uma “hypocrisie absurde”, defendeu-o, afirmando que “Il est impossible, – impossible, entendez-vous, – que M. Manet n’ait pas son jour de triomphe, et qu’il n’écrase pas les médiocrités timides qui l’entourent.” (Emile Zola, L’evènement illustré, 1866, cit. in op. cit.)

E, no entanto, nem o tema, nem mesmo a composição, eram inéditos, sendo nítida a aproximação às obras “Vénus de Urbino” de Ticiano (Giorgio Barbarelli da Castelfranco, c. 1477/8–1510), atualmente na Galleria degli Uffizi, em Florença, ou a “Vénus Adormecida” de Giorgione (Tiziano Vecelli ou Tiziano Vecellio, c. 1490–1576), na Gemäldegalerie Alte Meister, em Dresden.

Vénus Adormecida Giorgione Dresden, Gemäldegalerie Alte Meister

Vénus Adormecida
Giorgione, 1510
Dresden, Gemäldegalerie Alte Meister

Vénus de Urbino Ticiano, 1538 Florença, Galleria degli Uffizi

Vénus de Urbino
Ticiano, 1538
Florença, Galleria degli Uffizi

Enquanto nestas duas obras, a nudez se defendia sob o pretexto da mitologia, atenuando o erotismo inerente à representação, Manet associa-lhe, como título, o nome de uma prostituta e anexa-lhe atributos de demi-mondaine parisiense oitocentista e que acentuam a sensualidade da figura: a orquídea nos cabelos, a fita preta em torno do pescoço, a pulseira de ouro e os brincos de pérola, a chinela solta no pé e o xaile bordado onde se recosta. Além disso, o cão adormecido, enroscado aos pés da Vénus de Ticiano, é substituído por um gato preto, de conotação maléfica, enquanto a criada negra lhe entrega um ramo de flores embrulhado, numa sugestão de oferta/retribuição. Mas, sobretudo, a mulher olha diretamente na direção do observador. Na realidade, a figura presente não quadro não era prostituta, mas o modelo habitual do pintor, Victorine Meurent (1844-1928).

Em 1890, o quadro foi adquirido por subscrição pública e oferecido ao Estado, ingressando no Musée du Luxembourg e depois no Louvre, até ser afetado ao Musée d’Orsay, em 1986, onde se encontra em exposição permanente.

Para da polémica suscitada pela pintura de Manet, nos finais do século XIX, a prostituição afirmava-se como um tema do quotidiano inspirador de muitos artistas contemporâneos e, por isso, representados na coleção do Musée d’Orsay.

A prostituição foi o tema da recente exposição temporária “Splendeurs et miseres: Images de la prostitution, 1850-1910” (22 set. 2015 – 17 jan. 2016), organizada pelo museu com a colaboração excecional da Bibliothèque nationale de France.

Première grande manifestation consacrée au thème de la prostitution, cette exposition tente de retracer la façon dont les artistes français et étrangers, fascinés par les acteurs et les lieux de ce fait social, n’ont cessé de rechercher de nouveaux moyens picturaux pour en représenter réalités et fantasmes.
De L’Olympia de Manet à L’Absinthe de Degas, des incursions dans les maisons closes de Toulouse-Lautrec et Munch aux figures audacieuses de Vlaminck, Van Dongen ou Picasso, l’exposition s’attache à montrer la place centrale occupée par ce monde interlope dans le développement de la peinture moderne. (“Splendeurs et misères”, 2015)

No penúltimo dia da exposição, a artista performativa Deborah de Robertis1 despiu-se na frente de “Olympia” e reproduziu a pose da figura virada para os visitantes.

Performance de Déborah de Robertis no Musée d'Orsay, 16 jan. 2016

Performance de Déborah de Robertis no Musée d’Orsay, 16 jan. 2016

O pormenor adicional foi a câmara GoPro presa na cabeça, com a qual filmou a reação dos visitantes e dos guardas do museu a tentar cobrir-lhe a nudez e a evacuar a sala. A filmagem resultou na curta metragem Olympia, onde intercala imagens obtidas a partir de telemóveis de cerca de uma dezena de pessoas que haviam sido discretamente convidados por Robertis. O filme abra com uma epígrafe de Geneviève Fraisse – “La résistance à la domination se transforme en affirmation de subversion. C’est le chemin de l’utopie.” – seguida por uma fotografia de estúdio com a mesma encenação que efetuou no museu.

Deborah de Robertis como "Olympia" Foto: Deborah de Robertis e Rim Battal, 2016

Deborah de Robertis como “Olympia”
Foto: Deborah de Robertis e Rim Battal, 2016

Deborah de Robertis, entretanto, foi detida na sequência da denúncia do museu por exibicionismo sexual. Entretanto, a artista justifica o ato como uma resposta à campanha publicitária nas ruas e lugares públicos de Paris e onde se lia a mensagem “Emmenez vos enfants voir des gens tout nus”, sobre o detalhe de um nu da obra “Femme nue couchée (Gabrielle)”, de Pierre-Auguste Renoir (1841-1919), pertencente ao Musée de l’Orangerie, ligado ao Musée d’Orsay.

Campanha publicitária do Musée d'Orsay, 2016.

Campanha publicitária do Musée d’Orsay, 2016.

Na carta aberta dirigida a Guy Cogeval, presidente do museu, e entretanto publicada na imprensa, Deborah de Robertis explica:

Olympia ce sont toutes les putains accrochées aux cimaises de cette exposition. Je suis Olympia. En portant plainte pour exhibition sexuelle, vous avez nié publiquement le point de vue des modèles nus que vous exposez aujourd’hui en objets, en interdisant de filmer, vous empêchez ce point de vue d’exister. (Robertis, cit. in Lesauvage, 2016, 18 jan.)

O museu consente na exposição da nudez, enquanto representação, mas não enquanto realidade. Entretanto, em determinado momento da ação performativa os guardas do museu colocaram uma baia entre dois postes, criando uma barreira entre a artista e o público, o que, como refere Joshua Surtees, “seemingly authenticating her performance as a genuine work of art” (2016, 3 fev.).

No processo de (pan)semiotização que tem vindo a atravessar a criação artística, o corpo é percebido e analisado enquanto linguagem. A ação performativa, mesmo quando (ou sobretudo quando) subverte o convencionalismo dos comportamentos, potencia o corpo no processo de comunicação. Não obstante, as performances de Deborah de Robertis são recebidas como mera “provocação”. Que, aliás, era exatamente o que maior parte dos artistas e intelectuais oitocentistas diziam acerca da obra de Manet.

Referências bibliográficas:
“Dossier Manet: Textes critiques”. (2006). Musée d’Orsay (sítio oficial). Acedido em http://www.musee-orsay.fr/fr/collections/dossier-manet/textes-critiques.html
“Splendeurs et miseres: Images de la prostitution, 1850-1910”. (2015). Musée d’Orsay (sítio oficial). Acedido em http://www.musee-orsay.fr/fr/evenements/expositions/au-musee-dorsay/presentation-generale/article/splendeurs-et-miseres-42671.html?cHash=66de64163c
Lesauvage, M. (2016, 18 jan.). L’artiste qui s’est déshabillée au musée d’Orsay explique son geste. Exponaute. Acedido em http://www.exponaute.com/magazine/2016/01/18/renverser-le-point-de-vue-du-modele-nu-lartiste-qui-sest-deshabillee-au-musee-dorsay-explique-son-geste/
Surtees, J. (2016, 3 fev.). Public nudity is a uniform’: The artist who stripped off at the Musée D’Orsay. The Guardian. Acedido em http://www.theguardian.com/artanddesign/2016/feb/03/deborah-de-robertis-nudity-manet-musee-dorsay

Fontes das imagens:
Olympia: https://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/9/9e/Edouard_Manet_-_Olympia_-_Google_Art_Project_2.jpg
Vénus de Urbino: https://1.bp.blogspot.com/-3t-3dJrtxY8/T0TmCdQxIQI/AAAAAAAAC0I/BCb3kEuaLw0/s1600/venusurbino.jpg
Vénus Adormecida: https://en.wikipedia.org/wiki/File:Giorgione_-_Sleeping_Venus_-_Google_Art_Project_2.jpg
Performance de Déborah de Robertis: http://www.lesinrocks.com/wp-content/thumbnails/uploads/2016/01/de-robetis-3-tt-width-750-height-485-lazyload-1-crop-1-bgcolor-000000.jpg
Robertis como “Olympia” e campanha do museu: http://www.lequotidien.lu/wp-content/uploads/2016/01/robertis.jpg

Cite this article as: Roque, Maria Isabel, "Nudez, arte e linguagem," in a.muse.arte , 2016/02/04, http://amusearte.hypotheses.org/1191.

 

  1. Deborah de Robertis já se havia despido no museu, à frente da pintura “L’origine du monde”, de Gustave Courbet (1819-1877), mimetizando a pose da figura, cuja descrição anatómica do sexo feminino ainda hoje não é consensual enquanto objeto expositivo. []

1 comentário a “Nudez, arte e linguagem

  1. A representação do corpo nu transforma-o numa ficção iconográfica artificial que lhe atenua a carga de erotismo subjacente à maioria dos contextos civilizacionais. Where is this information?

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *