Luz e cor sobre o templo de Dendur

O Templo de Dendur tinha sido erguido em honra da deusa Isis no tempo do imperador romano Augusto, por volta do ano 13 a.C., na Núbia, no sul do Egipto, na margem ocidental do Nilo.

Templo de Dendur, c. 1960. Brooklyn Museum Archives, Goodyear Archival Collection William Henry Goodyear, Brooklyn Museum

Templo de Dendur, c. 1960.
Brooklyn Museum Archives, Goodyear Archival Collection

Na década de 1960, considerado o risco da crescente subida das águas do lago Nasser e a construção da barragem que iria submergir o templo, a UNESCO lançou uma campanha que conduziu ao desmantelamento do edifício, posteriormente oferecido aos Estados Unidos, sendo instalado no Metropolitan Museum of Art (MET), em Nova Iorque.

 

Templo de Dendur, no MET Foto: MIR, 2014.

Templo de Dendur, no MET
Foto: MIR, 2014.

O Digital Media é um departamento do museu especialmente vocacionado para a investigação e desenvolvimento de projetos digitais, através do Grupo de Desenvolvimento Criativo que integra a equipa do MediaLab, cuja missão é “to explore the impact that technology can have on the museum experience” (“The Media Lab”, 2010-2015), o que implica a aplicação da tecnologia em espaço museológico como potenciador da experiência do visitante, através de projetos de baixo custo e em acesso aberto.

Em colaboração com o grupo curatorial do Departamento de Arte Egípcia, a equipa do MediaLab apresenta1  o projeto experimental Color the Temple, Scene 1. A cena escolhida ilustra a oferenda do imperador Augusto, representado como faraó, à divindades Hathor e Horus, na fachada anterior do templo.

Através da tecnologia web mapping, o projeto recupera a coloração original dos relevos e hieróglifos de uma das cenas da fachada. A projeção digital mapeada (ou realidade aumentada espacial) é uma tecnologia digital que utiliza a superfície de uma estrutura arquitetónica como um ecrã de larga escala para a projeção de imagens (vd. projeto de Sant Climent de Taüll). Esta tecnologia  permite a ilusão de um restauro não invasivo e, portanto, sem um índice assinalável de degradação dos suportes sob o efeito da luz. O índice de ilusão é potenciado pelo afinamento da relação entre os objetos reais e a informação digital que lhe é adicionada.

Para lá pesquisa tecnológica, o projeto envolveu uma investigação aturada no domínio da história da arte e, em particular, acerca da utilização e da simbologia das cores na arte egípcia, quer através da análise do próprio templo, incluindo exames laboratoriais, e de outros edifícios ou fragmentos arquitetónicos (em particular, os que se encontram na coleção do museu) com vestígios de cromatismo, quer através da pesquisa de fontes documentais, textuais e gráficas, existentes nos relatos e estudos do século XIX e inícios do século XIX, nomeadamente os desenhos coloridos da Description de l’Égypte, elaborada durante a campanha de Napoleão em 1798-1801, e a descrição do templo feita por Aylward Manley Blackman (1911).

Friso da parede norte no interior do pronaos. Desenho: J. A. Dixon (in Blackman, 1911)

Friso da parede norte no interior do pronaos.
Desenho: J. A. Dixon (in Blackman, 1911)

O processo digital foi descrito pelos técnicos do MediaLab no artigo “Color the temple: Using projected light to restore color”, publicado no sítio eletrónico do museu (Felsen, Peters, & Saba, 2015, 24 dez.). Partindo de imagens de alta resolução, criaram versões vetoriais e aplicaram camadas no Adobe Illustrator para replicar os contornos do desenho original. O recurso às fontes permitiu reconstituir o desenho de figuras e hieróglifos em zonas danificadas pela erosão. Posteriormente, as imagens foram convertidas em ficheiro SVG, através do openFramework, permitindo ajustar as linhas de contorno, ao mesmo tempo o plug-in Syphon permitia a articulação com o MadMapper para alinhar a imagem com o suporte arquitetónico. Finalmente, as imagens em bitmap foram coloridas com cores sólidas no Adobe Photoshop. O processo de afinação de cor implicou a compensação da cor da pedra e da luz ambiente.

Projeção digital sobre o templo de Dendur no MET Foto: Brian Harkin/The New York Times, 2016.

Projeção digital sobre o templo de Dendur no MET
Foto: Brian Harkin/The New York Times, 2016.

O projeto adiciona elementos inéditos à visualização do relevo e do cromatismo originais: os hieróglifos do diálogo entre o imperador e as divindades são destacados e ampliados; a animação sobreposta às figuras confere-lhes uma volumetria mais realista e corrige a perspetiva através de uma maior profundidade na composição da cena. Para lá dos aspetos formais, o museu disponibiliza informação relativa à simbologia das cores no tempo dos antigos egípcios: o azul, associado à água e ao Nilo; o verde, à vegetação; o amarelo e o ouro, ao sol e ao deus Ra; os tons avermelhados, ao deserto, ao poder e à vitalidade.

A dinamização através da tecnologia digital tem o mérito de permitir novas formas de ver, percecionar e experimentar os objetos, recuperando informação perdida ao longo da sua existência material e adicionando dados que facilitem uma compreensão mais substantiva das suas formas e sentidos. A ação exercida sobre o objeto, além de não ser invasiva, é efémera e reversível, sem comprometer a integridade material e documental do original. Por outro lado, abre novas perspetivas à mediação cultural no museu e permite adivinhar novas vias de investigação no âmbito das Humanidades Digitais, articulando as metodologias tradicionais aos processos tecnológicos.

Referências bibliográficas:
Blackman, A. M. (1911). The temple of Dendûr. Le Caire, Egypt: Impr. de l’Institut Français d’Archéologie Orientale. Disponível em https://archive.org/details/templeofdendr00blac
Felsen, M., Peters, E., & Saba, M. P. (2015, 24 dez.). “Color the temple: Using projected light to restore color.” The Metropolitan Museum of Art (sítio official). Disponível em http://www.metmuseum.org/about-the-museum/museum-departments/office-of-the-director/digital-media-department/digital-underground/2015/color-the-temple
“The Media Lab”. (2010-2015). The Metropolitan Museum of Art (sítio official). Disponível em http://www.metmuseum.org/about-the-museum/museum-departments/office-of-the-director/digital-media-department/medialab

Fontes das imagens:
Templo de Dendur, no Egipto: http://www.spiegel.de/fotostrecke/die-groessten-geschenke-der-welt-fotostrecke-132284-15.html
Projeção sobre o templo: http://www.nytimes.com/2016/02/02/arts/temple-of-dendurs-lost-colors-brought-to-life-at-the-met.html?_r=0

Cite this article as: Roque, Maria Isabel, "Luz e cor sobre o templo de Dendur," in a.muse.arte , 2016/02/02, https://amusearte.hypotheses.org/1182.
  1. O projeto é exibido nas noites de 6.a feira e sábado até ao próximo dia 19 de março. []

2 comentários a “Luz e cor sobre o templo de Dendur

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *