A literatura como (pre)texto de viagem

O conceito não é novo: ao longo do século XIX, o relato literário era um pretexto de viagem em alternativa ou em complemento ao propósito de visitar locais de referência, monumentos, museus, ruínas, vestígios do passado ou de outras culturas. James Buzard (1993), a partir da análise de um corpus de textos literários relacionados com a viagem, regista a dualidade do conceito de cultura de elite ou massas na prática Oitocentista da viagem, ao mesmo tempo que se instalava a ideia de que o turismo era uma atividade aberta a todas as classes, sobretudo depois das práticas de simplificação e de divulgação iniciadas por Thomas Cook. Buzard distingue, assim, entre o vulgar “tourist” e o verdadeiro “traveller”, mais erudito, apontanto para o conceito remanescente daquilo que designa como a experiência cultural autêntica, “that which the ‘traveller’ used to seek ‘off the beaten track’“ (Buzard, 1993, 336)  e que, portanto, se encontra em locais de referência extrínsecos aos circuitos populares.

Goethe na Campagna Romana Johann Heinrich Wilhelm Tischbein, 1787 Frankfurt, Städelsches Kunstinstitut und Städtische Galerie

Goethe na Campagna Romana
Johann Heinrich Wilhelm Tischbein, 1787
Frankfurt, Städelsches Kunstinstitut und Städtische Galerie

A referência à literatura constitui, por excelência, um dos mais relevantes instrumentos para a definição da alta cultura. A obra de Buzard já abordava a importância da literatura para o desenvolvimento do turismo europeu. Mais recentemente, Mike Robinson e Andersen organizaram uma coleção de ensaios sobre o tema, focando a dupla face da leitura e da escrita em turismo, ou seja, a literatura como fonte de inspiração para o turista e o turismo como fonte de inspiração para a literatura.

O processo é bidirecional: o turismo suscita narrativas, tal como a literatura pode promover ou definir a iniciativa da viagem. A referência literária a um lugar contribui para o seu esclarecimento, bem como para a compreensão do universo cultural, patrimonial e artístico que lhe esteja associado.

In literary tourism, as in literature itself, we find the same principle at work: the desire to tell stories, to give significance to an apparently random reality by selecting and ordering elements of reality in a way that makes sense in a specific cultural context. (Robinson & Andersen, 2003, 9)

The Travelling Companions Augustus Leopold Egg, 1862 Birmingham, Birmingham Museum and Art Gallery

The Travelling Companions
Augustus Leopold Egg, 1862
Birmingham, Birmingham Museum and Art Gallery

A leitura é, em si mesma, uma viagem íntima através de outras personagens e cenários. O texto literário torna-se, assim, o elo entre o leitor/viajante e os ambientes reais da ficção, ao mesmo tempo que desperta a curiosidade pelos lugares descritos no enquadramento da história. É inevitável sentirmos o apelo das descrições de James Joyce, de Omar Pamuk, ou de Ruiz Zafón, para conhecer Dublin, Istambul ou Barcelona e a tentativa de descobrir a essência dos sítios através dos seus olhares. Tal como é inevitável sentirmos o eco de A cidade das flores, de Augusto Abelaira, ao perdermo-nos nas ruas de Florença. Tal como há viajantes que vêm à descoberta de Lisboa, acompanhados por Fernando Pessoa, ou por José Saramago. Depois da leitura de Em busca do tempo perdido, a evocação de Proust torna-se, ela própria, a madeleine que nos leva à descoberta do Bois de Boulogne, de Combray ou de Balbec. A literatura permite-nos a sensação de já lá termos estado, de aí terem acontecido alguns episódios marcantes das nossas vidas plurais, enquanto leitores.

A descrição do lugar inserida numa narrativa contém o apelo da experiência individual. Ou seja, na medida em que o leitor se sentir sugestionado pela leitura, imergindo no universo da ficção, esta torna-se parte integrante das suas memórias passíveis de desencadear um universo de emoções.

There is a sense of nostalgia for places that never really existed in the first place, but by visiting them, the unreal can become tangible and gives the visitor another level of insight into the works of the author, at least on the surface. (Oppen, 2011, p. 28)

Neste sentido, o (pre)texto literário constitui uma das estratégias mais seguras para a eficácia da experiência que tem vindo a assumir-se como apanágio do turismo cultural e criativo.

Ao longo dos últimos dois séculos, a literatura constituía um fator de demarcação entre o turista e o viajante, ou entre a alta e a baixa cultura, nomeadamente, quando as massas se apropriavam dos sítios patrimoniais e se promoviam através dos sinais visíveis dessa apropriação. Porém, no contexto do atual fenómeno de desdiferenciação, a referência literária tende a participar no processo promoção da cultura de massas, facultando-lhe novos estímulos e recursos facilitadores e integradores na experiência dos lugares.

Neste sentido, pode afirmar-se que, no mundo contemporâneo, a literatura deixa de funcionar como elemento diferenciador, para permitir que o “mero turista” se aproxime, pelo menos em aparência, do “viajante” esteta, intelectual e culto.

As Humanidades Digitais têm tido um papel de relevo neste processo, ao facilitar o cruzamento entre o texto literário e os lugares. É o caso do projeto Siete ciudades contadas por su literatura, desenvolvido pelo jornal El mundo. Apresentado na secção Cultura, 14 de janeiro, o projeto apresenta, na página de entrada, o desenho do mapa-mundo onde estão assinaladas as cidades hispanófonas de Buenos Aires, Lima, Mexico D.F., La Habana, Sevilla, Madrid y Barcelona, a partir das quais se organizam rotas literárias através de mapas interativos “llenos de secretos y glorias literarias”, com texto de Luis Alemany, e infografia de Enrique Sánchez, cabendo a seleção dos pontos assinalados a jornalistas e colaboradores do jornal (não a investigadores especialistas).
Sete cidades_1 Sete cidades_2

A apresentação é uma sequência de questões assentes na relação entre autores e lugares:

¿Hay un rincón de Buenos Aires especialmente propicio para que pensemos en Borges? ¿Alguna cafetería de Barcelona que remita a Roberto Bolaño? O dicho al contrario: ¿Quién ha escrito sobre el barrio de Lima en el que tuvimos el hotel o sobre aquella colonia de México en la que vivimos algún tiempo?

O turista não precisa de conhecimentos prévios para estabelecer uma rota. Através do mapa, confirma a relação entre a literatura e um determinado sítio: apontamentos biográficos (aqui nasceu, aqui viveu, aqui escreveu…), em frases curtas acompanhadas de uma imagem e dos nomes do autor e da rua, com a possibilidade de “ver” o sítio através do Google-maps.

Não se trata de conhecer a obra literária (nada nos remete para ela), mas de assinalar os contextos físicos da vida ou da obra dos vários autores e mapear a cidade através destas referências. Pode ser incipiente, mas é simples e acessível, permitindo ao turismo de massas uma aproximação à literatura. Desta forma, também o turismo literário, lenta mas inexoravelmente, deixa de ser uma atividade de elite; mas pode, também, estimular a leitura e promover o conhecimento do património literário inerente ao lugar. Novamente, a resposta faz-se através das Humanidades Digitais que disponibilizam em linha acervos literários, cada vez mais, ao alcance de todos.

 

Referências bibliográficas:
Buzard, J. (1993). The beaten track: European tourism, literature, and the ways to culture, 1800-1918. Oxford: Oxford University Press.
Oppen, A. (2011). Literary places & tourism: A study of visitors’ motivations at the Daphne du Maurier Festival of Arts & Literature. (MSc dissertation in Tourism Management and Marketing, School of Tourism, Bournemouth University, Dorset, UK). Disponível em https://www.academia.edu/4138112/Literary_Places_and_Tourism_-_A_study_of_visitors_motivations_at_the_Daphne_Du_Maurier_Festival_of_Arts_and_Literature
Robinson, M., & Andersen, H. C. (2003). Literature and tourism: Essays in the reading and writing of tourism. London: Thomson Learning.

Cite this article as: Roque, Maria Isabel, "A literatura como (pre)texto de viagem," in a.muse.arte , 2016/01/20, http://amusearte.hypotheses.org/1166.

4 comentários a “A literatura como (pre)texto de viagem

  1. Pingback: Turismo cultural e criativo: curso de pós-graduação na Universidade Europeia | a.muse.arte

      • Obrigada pelo artigo.
        Penso que talvez queira alterar a parte em que escreve «cidades hispanófobas», pois imagino que não era isso que queria dizer. Pode apagar este comentário, depois de corrigir. 🙂
        Cordialmente.
        Adriana Nogueira

        • Muito obrigada pelo comentário. Já corrigi “hispanófobas” por “hispanófonas”. Obviamente, mantenho o seu comentário, porque, sem ele, teria persistido num erro que só o seu reparo permitiu corrigir.
          Grata, cumprimento muito cordialmente,
          Maria Isabel Roque

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *