Adoração dos Magos

A Epifania não é um episódio da Natividade, mas é reconhecida como a primeira teofania de Cristo e, por conseguinte, como o acontecimento fundador da Nova Aliança, registando-se como um símbolo da divindade de Cristo. Daí que, nos primeiros tempos do Cristianismo, a festa da Epifania se tenha sobreposto ao tema da Natividade e a representação iconográfica da adoração dos magos remonte aos primeiros tempos do cristianismo.

A vinda dos magos para homenagear o Menino, é referida em Mateus (Mt 2, 1-12), sendo registada de forma quase idêntica nos textos apócrifos (Proto-Evangelho de São Tiago 21, 1-3; Evangelho do Pseudo-Mateus 16, 1-2).

“Tendo Jesus nascido em Belém da Judeia, no tempo do rei Herodes, chegaram a Jerusalém uns magos vindos do Oriente. […] E a estrela, que tinham visto no Oriente, ia adiante deles, até que, chegando ao lugar onde estava o Menino, parou. Ao ver a estrela sentiram, grande alegria, e, entrando em casa, viram o Menino com Maria, Sua mãe. Prostrando-se, adoraram-n’O, e, abrindo os cofres, ofertaram-Lhe presentes: Ouro, incenso e mirra.” (Mt 2, 1-11)

Nos evangelhos são genericamente referidos como homens sábios ou magos, a denominação dada aos sacerdotes persas de Zoroastro que, além das funções religiosas, se dedicavam ao estudo da astronomia e da astrologia, atribuindo-se-lhes poderes ocultos.

Inicialmente, os Magos, em número indefinido e sem se lhes atribuírem nomes, eram representados de maneira indiferenciada, com o traje persa dos sacerdotes de Mitra: barrete frígio e manto sobre as costas. Desfilam em cortejo na direção da Virgem, trono vivo de Deus menino, a quem levam presentes em bandejas ou em ricos recetáculos de ourivesaria.

A partir do elenco de presentes, o número dos magos acaba por se fixar em três. Nos Excerpta latina barbari, uma cronologia composta em grego, no século V, e traduzida para latim, surge a mais antiga referência conhecida aos nomes dos três magos: “In his diebus sub Augusto Kalendas Ianuarias magi obtulerunt ei munera et adoravunt eum: magi autem vocabantur Bithisarea Melchior Gathaspa”[1] (Auctores antiquissimi 1892, 278)

Epifania Autor desconhecido, século VI, 1.º quartel Ravena, Igreja de Santo Apolinário o Novo

Epifania
Autor desconhecido, século VI, 1.º quartel
Ravena, Igreja de Santo Apolinário o Novo

No século VII, Beda, o Venerável, fornece uma descrição detalhada da identidade de cada um:

Magi sunt, qui munera Domino dederunt: primus fuisse dicitur Melchior, senex et canus, barba prolixa et capillis […]; aurum obtulit regi Domino. Secundus, nomine Caspar, juvenis imberbis, rubicundus […] thure quasi Deo oblatione digna, Deum honorabat. Tertius, fuscus, integre barbatus, Balthasar nomine […]: per mirrham Filium hominis moriturum professus est.[2] (Beda o Venerável 1862, col. 541)

Desenha-se, a partir daqui, a simbologia atribuída a cada um, relacionando-os com as três idades do homem e com os três continentes (Europa, Ásia e África), pelo que a adoração representa a homenagem de toda a humanidade e de todo o mundo conhecido.

Os presentes referem-se à tripla natureza de Cristo: ouro, metal precioso próprio da realeza, para o rei; incenso, queimado nos rituais religiosos, para Deus; mirra, usado no embalsamento, para o homem. Porém, Voragine, na Lenda Dourada, coligida cerca de 1260, refere outras analogias populares durante a Idade Média:

Le choix de ces présents et leur don s’expliquent par plusieurs motifs : 1e c’était l’usage, chez les anciens, de ne jamais approcher d’un dieu ou d’un roi sans lui offrir des présents ; […] 2e d’après saint Bernard, l’or était destiné à alléger la pauvreté de la Vierge, l’encens à effacer la mauvaise odeur de l’étable, la myrrhe à consolider les membres de l’enfant en expulsant les vers des ses intestins ; 3e ces trois présents signifiaient la royauté du Christ, sa divinité et son humanité […] ; 4e ces trois présents signifiaient ce que nous devons offrir au Christ : car l’or est le symbole de l’amour, l’encens celui de la prière et la myrrhe symbolise la mortification de la chair. (Voragine 1998, 76)

Adoração dos Magos Gentile da Fabriano, 1423 Florença, Galleria degli Uffizi

Adoração dos Magos
Gentile da Fabriano, 1423
Florença, Galleria degli Uffizi

A partir do século XV, a progressiva humanização dos temas religiosos, representados em contextos profanos, permitiu que os Magos retratassem os doadores e respetiva corte, ostentando indumentárias luxuosas e adornos ricos. Progressivamente, o tema tende a afastar-se da iconografia da Natividade, retomando o antigo modelo do cortejo em direção à Virgem com o Menino ao colo.

Referências bibliográficas:
Auctores antiquissimi. 1892. “Chronica Minora Saec. IV. V. VI. VII: Consularia Italica.” In MGH Auctorum Antiquissimorum, edited by T. Mommsen, t. 9, v 1:249–339. Berlim: Apud Weidmannos. http://www.dmgh.de/de/fs1/object/goToPage/bsb00000798.html?pageNo=278&sortIndex=010:010:0009:010:00:00&zoom=0.75.
Beda o Venerável. 1862. “Excerptiones Patrum, Collectanea …” In Patrologiae Cursus Completus …: Series Latina, edited by J. P. Migne, 539-561:9. Paris: Migne.
Voragine, Jacques de. 1998. La Légende Dorée. Translated by Teodor Wizewa. Paris: Éd. Seuil.

Texto retirado de:
Roque, M.I. (2013, dez.). O Menino de Belém: Da festa do Natal à iconografia da natividade e da adoração. Gaudium Sciendi, (5), 104-126. Lisboa: Universidade Católica Portuguesa. Acedido em:
https://www.academia.edu/5537567/O_Menino_de_Bel%C3%A9m_da_festa_do_Natal_
%C3%A0_iconografia_da_natividade_e_da_adora%C3%A7%C3%A3o

Nota: Na imagem de destaque, está um pormenor da pintura  “Adoração dos Magos”, de Domingos Sequeira,  cujo processo de aquisição foi alvo da campanha “Vamos pôr o Sequeira no lugar certo” lançada pelo Museu Nacional de Arte Antiga em colaboração com o jornal Público (Vd. notícia)

[1]    No tempo de Augusto, nas calendas de Janeiro, os magos ofereceram-lhe presentes e adoraram-no: os magos chamavam-se Bithisarea Melchior Gathaspa.

[2]    Eram magos, aqueles que deram presentes ao Senhor: o primeiro diz-se ter sido Melchior, um homem velho de cabelo branco, com longas barbas e melenas […] ofereceu ouro ao rei Senhor. O segundo, chamado Gaspar, jovem imberbe e rubicundo […] com incenso, oblação digna de Deus, Deus honrou. O terceiro, moreno, totalmente barbudo, chamado Baltasar […]: com mirra assinalou o Filho do Homem que vai morrer.

Cite this article as: Roque, Maria Isabel, "Adoração dos Magos," in a.muse.arte , 2016/01/06, https://amusearte.hypotheses.org/1159.

1 comentário a “Adoração dos Magos

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *