Necessidade e engenho: crowdfunding para a cultura

A angariação de fundos através de modelos de financiamento colaborativo – ou, dito de forma mais rápida e atualizada, o crowdfunding – está definitivamente na moda e tem vindo a ser utilizado para financiar projetos em domínios cada vez mais diversificados, desde político-partidários, sociais, a académicos, culturais, artísticos, etc.

Campanha "A hug is promised from Marina Abramović" Imagem: Marina Abramović Institute (MAI), 2013

Campanha ““Fund me! I’ll hug you!”
Imagem: Marina Abramović Institute (MAI), 2013

Num panorama de crescente carência das subvenções do Estado, tornou-se uma estratégia muito interessante para a gestão do património, em particular, para a aquisição e restauro de bens culturais. Não se trata de angariação de fundos feita nos moldes tradicionais, focalizada em grupos específicos de amigos de museus, mecenas ou patrocinadores. Mas também não é uma novidade, dado que se inspira no modelo de subscrição pública que, em 1844, permitiu o financiamento do pedestal da estátua da Liberdade em Nova Iorque.

O conceito, assente na obtenção de fundos para projetos coletivos, através do envolvimento da sociedade civil recrutada através de plataformas digitais, é simples:  e, em particular, das redes sociais, contribuindo com pequenos donativos e, eventualmente, recebendo contrapartidas simbólicas. A recompensa efetiva é a satisfação que deriva da participação individual numa ação que visa o bem comum. Simples, direto e eficaz.

São cada vez mais frequentes as instituições particulares, as galerias, os artistas que têm vindo a recorrer ao crowdfunding: em 2013, Marina Abramovic (“Fund me! I’ll hug you!); em 2014, JR e Agnès Varda  («JR: Moi je veux photographier Agnès en train de filmer; Agnès Varda: Moi je veux filmer JR en train de photographier»).

Agnès Varda frente ao camião fotográfico de JR em Nova Iorque Foto: JR-ART.NET, s.d.

Agnès Varda frente ao camião fotográfico de JR em Nova Iorque
Foto: JR-ART.NET, s.d.

A organização britânica Art Fund, criada em 1903 com a designação National Art Collections Fund, tem por objetivo a angariação de fundos junto de organismos com participação do Estado, empresas privadas e indivíduos particulares, para a aquisição, conservação, exposição e divulgação de obras de arte e fundos museológicos, também adotou nos últimos anos a estratégia de crowdfunding, sob o lema “Do something good, get something great”. Também o museu do Louvre tem vindo a recorrer ao mesmo modelo colaborativo para aquisições e restauros, como o da Vitória de Samotrácia, orçado em 4 milhões de euros, maioritariamente suportado pelos grandes mecenas do museu, mas que conseguiu 1 milhão através da campanha “Tous mécènes!”. Da mesma forma, no passado Verão, o Vaticano lançou a aplicação Patrum, “a kind of elite crowdfunding venture” (Jones, 2015, 17 ago.), apelando à participação da sociedade civil no restauro das obras dos seus museus, com a contrapartida de ficar a conhecer aspetos inéditos das suas coleções.

Restauro de Vitória de Samotrácia no Museu do Louvre Foto: Musée du Louvre / Antoine Mongodin, 2014

Restauro de Vitória de Samotrácia no Museu do Louvre
Foto: Musée du Louvre / Antoine Mongodin, 2014

Em 2012, o cartoonista Matthew Inman lançou a campanha para a aquisição do laboratório de Nikola Tesla, em Shoreham, New York: a campanha precisava de 850.000 dólares e angariou 1,37 milhões em apenas 1 mês, o que o levou a lançar nova campanha – “Buy a brick. Build a museum” – com o objetivo de atrair mais 200.000 dólares para a criação de um museu, tendo obtido mais de 500.000, novamente, no espaço de 1 mês. No total, obtiveram um montante mais de duas vezes superior ao objetivo original.

"Buy a brick" Nikola Tesla, 2012

“Buy a brick”, campanha para a compra do laboratório de Nikola Tesla
Matthew Inman, 2012

Em Portugal, a maior plataforma de financiamento colaborativo em linha criada em 2011, PPL, regista mais de 1,2 milhões de euros angariados, com quase um milhar de projetos publicados, grande parte dos quais no âmbito da cultura, e uma taxa de sucesso de 45%. Se estes valores são pouco relevantes quando comparados com outros mercados, também confirmam a implantação do conceito e apontam para uma inegável tendência de crescimento. E, naturalmente, o património e os museus não ficaram indiferentes à oportunidade de financiamento através de crowdfunding: a igreja de São Cristóvão lançou a campanha “Uma tela para São Cristóvão” para restaurar o telhado; o Museu Nacional de Arte Antiga (MNAA) lançou recentemente a campanha “Vamos pôr o Sequeira no lugar certo” para a aquisição da obra A adoração dos Magos, de Domingos Sequeira e que o museu considera “uma peça fundamental do património nacional” (MNAA, 2015), permitindo que o patrocinador escolha na versão digital os pixéis correspondentes ao valor do seu contributo, através de um aplicativo disponível no sítio do jornal Público.

Campanha "Vamos pôr o Sequeira no lugar certo" Museu Nacional de Arte Antiga / Público

Campanha “Vamos pôr o Sequeira no lugar certo”
Museu Nacional de Arte Antiga / Público

O processo é, aparentemente, linear: cada um contribui consoante a sua vontade para um objetivo previamente definido. A sociedade cumpre uma função mecenática que, durante muito tempo, foi exclusiva de patrocinadores privilegiados e sobrepõe-se à arcaica missão do Estado no que respeitava à constituição de um repositório patrimonial representativo da cultura e da identidade da nação. As organizações culturais, os artistas, os museus, veem aqui a oportunidade de garantir financiamentos de forma rápida e fácil, evitando os longos e complexos processos burocráticos da gestão corrente.

Se o fim justifica este meio, já o meio não justifica o fim. Seja crowdfunding, seja um processo híbrido em que se conjugam outras formas de obtenção de fundos, a legitimidade de todo o processo não dispensa a transparência dos objetivos. A dispersão dos financiadores dificulta a assistência direta ao longo do processo, mas não dispensa a certificação de que a angariação não é fraudulenta, a participação de cada um é convenientemente registada e a aplicação dos fundos é coerente com os objetivos enunciados.

Os pequenos montantes individuais geram financiamentos avultados, o que impõe um rigor acrescido na ética subjacente a todo o processo e a comunicação transparente dos trâmites: a que se destina? quem recebe? quem representa? quem são os parceiros e qual o seu envolvimento? quem são os intervenientes? como se processa a angariação? como se processa a transação? como se administra e gere o fundo? onde se aplica o remanescente? Para que os dadores, cientes da oportunidade e validade do objetivo, não duvidem da correção do processo. E todos compreendam que o fim também se justifica através do meio.

Referências bibliográficas:
Jones, J. (2015, 17 ago.) The Vatican’s new philanthropy app could ruin everything. The Guardian. Acedido em http://www.theguardian.com/artanddesign/jonathanjonesblog/2015/aug/17/vatican-art-app-patrum-ruin-everything
MNAA. (2015). Vamos pôr o Sequeira no lugar certo. In Museu Nacional de Arte Antiga (sítio institucional). Acedido em http://www.museudearteantiga.pt/exposicoes/vamos-por-o-sequeira-no-lugar-certo

Fontes das imagens:
MAI: https://www.kickstarter.com/projects/maihudson/marina-abramovic-institute-the-founders/description
Agnès Varda: http://www.kisskissbankbank.com/av-et-jr-deux-artistes-en-goguette
Vitória de Samotrácia: http://www.apollo-magazine.com/winged-victory-samothrace-back-louvre/
Buy a brick: http://theoatmeal.com/blog/bricks_for_tesla
Sequeira: sequeira.publico.pt

Cite this article as: Roque, Maria Isabel, "Necessidade e engenho: crowdfunding para a cultura," in a.muse.arte , 2015/11/20, http://amusearte.hypotheses.org/1106.

6 comentários a “Necessidade e engenho: crowdfunding para a cultura

  1. Pingback: Museografia renovada no Museu de Arte Antiga: exposição de escultura e pintura portuguesa | a.muse.arte

  2. Pingback: Curadoria à venda: uma polémica na gestão patrimonial | a.muse.arte

  3. Não retirando razão à Inês (à qual agradeço o testemunho, que se junta a outras desilusões que tenho tido como leitora do Público), nem retirando valor às pertinentes questões da Isabel, lembrei-me que o PS fez aprovar este ano um projecto de lei, que regula o crowdfunding em Portugal, e que pode explicar (ainda que não justifique – nenhum jornalista deve pedir a uma fonte para alterar as suas palavras) o evitar da palavra.
    Assim de repente diria que se o Público/MNAA puderem ser vistos como uma plataforma de crowdfunding/beneficiário, então estarão sujeitos à lei e numa leitura rápida vejo um problema: a lei parece não considerar a possibilidade do montante ficar com o beneficiário (que existe nesta situação), no caso de não ser totalmente angariado (apenas parece permitir a mudança de montante, que o regulamento no Público não contempla). Já para não falar de obrigações fiscais a que o Público pudesse ficar obrigado, como plataforma de crowdfunding, quando na verdade é um jornal e esta parece ser uma iniciativa única e exclusivamente destinada ao MNAA (nem todas as pessoas podem usar o Público para iniciativas de crowdfunding).
    A Inês refere ter uma ideia sobre o porquê e que iria confirmar. Conseguiu obter alguma informação que possa explicar a atitude do Público?
    Pergunto porque tenho observado que na ânsia de regular novas actividades, os políticos tendem a matar muitas das possibilidades dessas actividades, muitas vezes apenas porque continuam a olhar para o contexto pré-digital.

    Historial do projecto de lei (último link para a publicação em DR) – http://www.parlamento.pt/ActividadeParlamentar/Paginas/DetalheIniciativa.aspx?BID=37741
    Regulamento da iniciativa no Público – http://sequeira.publico.pt/regulamento

    • Cara Inês,
      A sua narrativa confirma aquilo que penso acerca deste assunto.
      Obrigada pelo seu contributo.

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *