A arte como expressão: os atentados de Paris através da ilustração

“As vozes da pintura são as vozes do silêncio”
Merleau Ponty

A arte é uma linguagem que se torna mais expressiva ao libertar-se do texto. Merleau Ponty distinguiu a «langage parlé» e «langage parlant», para definir esta última como expressão primeira, no sentido em que é a expressão sensorial e intuitiva. O senso comum exprime o mesmo sentido quando afirma que uma imagem vale mais que mil palavras.

Na sequência dos ataques em Paris, para lá das imagens do terror vivido nos sítios, as imagens de arte assumiram uma difusão viral, como uma resposta pacífica e com uma eloquência exponencialmente superior ao texto, sobretudo quando o espanto cala a maior parte das palavras ou estas são insuficientes para traduzir o que vai na alma.

A representação da insurreição popular de 27 a 29 de julho de 1830, em Paris, feita por Eugène Delacroix, foi reapropriada enquanto se configura como representação simbólica dos ideais de liberdade. Ao ser colocada como imagem do grupo “Arte, museus e património” atingiu rapidamente um número extraordinário de gostos (+ 450) e partilhas (+ 170).

Porém, mais relevante do que estas apropriações de imagens preexistentes, foi a produção inédita que surgiu de forma quase imediata, refletindo a espontaneidade das emoções.

Jean Julien foi um dos primeiros a publicar no Twitter, ainda na noite dos atentados, um desenho a tinta preta adaptando a Torre Eiffel ao interior do signo hippie de “peace and love”, o que se tornou a imagem mais difundida e uma espécie de emblema da reação pacífica à violência dos ataques.

Peace for Paris Jean Julien, 2015 @jean_jullien

Peace for Paris
Jean Julien, 2015
Twitter: @jean_jullien

A sobreposição de símbolos foi também a expressão da solidariedade internacional para com o povo francês, sobrepondo a projeção de luzes com as cores da bandeira francesa aos monumentos mais representativos de cada país, enquanto a Torre Eiffel se manteve apagada.

A Torre Eiffel, a negro (Arnold Schwarzenegger, ele mesmo), partida (Alejandro R., professor de Belas-Artes, num desenho enviado ao Figaro) ou ameaçada sob as garras da obscuridade (Latuff) tornou-se um dos emblemas mais repetidos e utilizados como metáfora.

#parisjetaime  Arnold Schwarzenegger, 2015 @Schwarzenegger

#parisjetaime
Arnold Schwarzenegger, 2015
Twitter: @Schwarzenegger

«Je suis professeur aux Beaux Arts. J'illustre ma tristesse.» Alejandro R., 2015.  In @Le_Figaro

«Je suis professeur aux Beaux Arts. J’illustre ma tristesse.»
Alejandro R., 2015.
In Twitter: @Le_Figaro

No mesmo sentido, o designer português Mauro Gomez também publicou um desenho com a palavra PRAY, cujo A se formaliza como a Torre Eiffel, desenhada a negro sobre fundo branco e, nas laterais, duas manchas a azul e vermelho onde as letras se sobrepõem num tom mais carregado.

Pray Mauro Gomez, 2015 Instagram: @ maurex82

Pray
Mauro Gomez, 2015
Instagram: @ maurex82

A representação da planta de Paris foi utilizada como motivo associado à cor vermelha, literalmente, a cor do sangue e símbolo da crueldade e violência: num desenho de Baudry, a cidade está inundada de sangue; Louison desenha o Sena transformado num rio vermelho.

Paris Rage Baudry, 2015 @hervebaudry

Paris Rage
Baudry, 2015
Twitter: @hervebaudry

Encore et toujours ce rouge Louison, 2015 @Louison_A

Encore et toujours ce rouge
Louison, 2015
Twitter: @Louison_A

O mundo tornou-se tricolor nos últimos dias. Enquanto no Facebook, as fotos de perfil foram processadas com um filtro, alguns ilustradores tomaram a bandeira francesa como suporte da mensagem. Jean-Charles de Castelbajac publicou um desenho de homenagem à juventude de Paris e tem vindo a inundar a sua página de Facebook com imagens tricolores de jovens em cenas de um quotidiano pacífico, numa mensagem de resiliência.

À la jeunesse Jean-Charles de Castelbajac, 2015 Facebook: Jean-Charles de Castelbajac

À la jeunesse
Jean-Charles de Castelbajac, 2015
Facebook: Jean-Charles de Castelbajac

Carlos Latuff desenhou os vultos dos cadáveres sob o lençol branco da faixa central da bandeira, enquanto a faixa vermelha retoma o signo de sangue.

Paris pleure ses morts Carlos Latuff, 2015 Twitter: @LatuffCartoons

Paris pleure ses morts
Carlos Latuff, 2015
Twitter: @LatuffCartoons

A ilustração assumiu o papel de resposta imediata. Joann Sfar publicou uma série de desenhos, dos quais o mais difundido retomava a expressão latina “Fluctuat nec mergitur” que se via nos ramos dispostos nos locais atingidos.

Ça signifie merde à la mort Joann Sfar, 2015 https://instagram.com/joannsfar/

Ça signifie merde à la mort
Joann Sfar, 2015
Instagram: joannsfar

A emoção detonou a via da criatividade, como meio de expressão, a qual foi reapropriada de forma viral pelas comunidades virtuais, cada vez mais empenhadas na utilização destes canais para a divulgação dos seus estados íntimos e subjetivos. Mais do que a palavra ou o texto, foi a imagem, através do desenho ou da ilustração, como formas de execução artística mais rápidas e imediatas, que se assumiu como o código mais eficaz para a mensagem da emoção.

A arte tornou-se a expressão da resposta, pacificada e resiliente, à manifestação do terror e valeu por muitas palavras.

Referências bibliográficas:
Merleau-Ponty, M. (1960). Le langage indirect et les voix du silence. In Signes. Paris: Gallimard. A partir de A. Malraux ((1951) Voix du silence. Paris: Gallimard.
Merleau-Ponty, M., (1992).  La prose du monde. Paris: Gallimard.

Cite this article as: Roque, Maria Isabel, "A arte como expressão: os atentados de Paris através da ilustração," in a.muse.arte , 2015/11/16, http://amusearte.hypotheses.org/1088.

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *