Design, a outra ciência dos signos

O termo design deriva do latim signum, signo ou sinal. Por isso, desde logo, se justifica o design como objeto de estudo no âmbito da semiótica, “a ciência que tem por objeto de investigação todas as linguagens possíveis, ou seja, que tem por objetivo o exame dos modos de constituição de todo e qualquer fenômeno de produção de significação e de sentido” (Santaella, 1983, p. 13).

No século XVIII, o termo ‘semiótica’ referia-se genericamente à decifração dos sintomas na prática médica, na continuação do sentido de diagnóstico que lhe era atribuído por Galeno de Pérgamo, no século II. Porém, John Locke (1632-1704), no Ensaio sobre o entendimento humano, já apontava para o sentido que lhe viria a ser atribuído por Ferdinand de Saussurre, ao distinguir três ramos do conhecimento: as ciências físicas, as ciências práticas e a semiótica, ou doutrina dos signos, que correspondia à lógica.

“Em terceiro lugar, o terceiro ramo pode ser chamado Semeiotike, ou doutrina dos signos; os mais usuais são as palavras, sendo igualmente bastante apropriado chamar-lhe Logike, lógica, a qual trata a natureza dos signos que a mente utiliza para compreender as coisas, ou para transmitir esse conhecimento aos outros.” (Locke, III-XVII-4)

One and Three Chairs Joseph Kosuth, 1965 Nova Iorque, Museum of Modern Art (MoMA).

One and Three Chairs
Joseph Kosuth, 1965
Nova Iorque, Museum of Modern Art (MoMA).

Posteriormente, Ferdinando de Saussurre (1857-1913) desenvolve a semiologia no âmbito da linguística estrutural, assente na dicotomia do signo, formado pela forma (ou significante) e o conceito (ou significado). “Propomos conservar o termo signo para designar o total, e substituir conceito e imagem acústica respetivamente por significado e significante; estes últimos termos têm a vantagem de marcar a oposição que os separa seja entre ambos, seja do todo de que fazem parte.” (Saussure, 1995: 33)

O carácter duplo do signo, segundo F. de Saussure

O carácter duplo do signo, segundo F. de Saussure

Quase em simultâneo, Charles S. Peirce (1839- 1914) funda a semiótica, corrente norte-americana da ciência dos signos, contrapondo, ao sistema dicotómico de Saussurre, uma estrutura triádica básica formada pelo signo ou representámen, pelo objeto e pelo interpretante que dinamiza a relação de significação. Peirce introduz a imagem nesta trilogia, ao definir que “um signo, ou, para usar um termo mais genérico e mais definido, um representamen é um ou outro destas três categorias: ou é um ícone, ou um índice, ou um símbolo” (Pierce, 1998, CP 4.447) Os ícones são signos substitutivos, ou imagens que mantêm uma relação de semelhança (conexão ótica), com a realidade representada (fotografia, mapa), enquanto os símbolos são signos convencionais, que representam algo através de diagramas comummente reconhecidos e aceites pelos intérpretes (pomba, símbolo de paz), e os índices são signos indiciais, que mantém relações causais com os objetos ou as ideias que representam (fumo, indício de fogo).

Relação triádica do signo, segundo C. S. Peirce

Relação triádica do signo, segundo C. S. Peirce

Conjugando a tríade relacional de Peirce com o empirismo, Charles Morris (1901-1979), desenvolve a semiótica comportamental e define quatro fatores no processo de semiose: “aquilo que atua como um signo, aquilo a que o signo se refere e o efeito sobre um intérprete em virtude do qual a coisa em questão é um signo para esse intérprete” (Morris, 1938, p. 3). Aquilo que atua como um signo é o veículo sígnico; aquilo a que o signo se refere é o designatum, correspondendo não exatamente a um objeto, mas a uma classe de objetos; os intérpretes são os agentes do processo, definindo o interpretante como o dar-se conta.

Além disso, Morris estrutura o processo de semiose em três vertentes distintas:

“A pragmática é aquela parte da semiótica que lida com a origem, utilização, e efeitos dos signos dentro do comportamento em que ocorrem; a semântica lida com a significação dos signos em todos os seus modos de significação; a sintática lida com as combinações de signos sem se preocupar com os seus significados nem com as relações comportamentais em que ocorrem.” (Morris, 1946: 219)

Os quatro fatores do processo de semiose, segundo C. Morris

Os quatro fatores do processo de semiose, segundo C. Morris

A dimensão semântica designa o objeto, a pragmática exprime o conceito e a sintática implica a sua definição.

No campo da semântica, que aborda a relação entre o objeto e o seu significado, Morris retoma a tricotomia do representamen de Peirce, referindo-se ao ícone, como imitação o significante, e ao símbolo, enquanto atributo estabelecido por convenção, sem relação formal com o que designa, como signos caraterizantes; o índice, porém, não é considerado como um signo caraterizante, dado que não transporta, em si, o objeto que denota, mas apenas o indicia.

Roland Barthes (1915-1980) aprofunda os conceitos de denotação e conotação como duas ordens de significação. A denotação, ou conceito literal, corresponde à primeira ordem, e a denotação, ou conceito secundário, não literal, corresponde à segunda ordem, na qual o signo é usado em sentido figurado, metafórico ou simbólico, de acordo com o contexto em que é utilizado. Barthes recupera o conceito saussuriano de signo, mas alarga-o a tudo o que significa, distinguindo entre signo linguístico, composto por um significante e um significado, e signo semiológico aplicado ao objeto, cuja função lhe acarreta um sentido. A função-signo corresponde a um processo de semantização do uso do objeto, ou seja, este é utilizado como objeto e interpretado como signo, cujo sentido lhe advém da forma como é utilizado.

Posteriormente, Umberto Eco (n. 1932), crítico da semiótica estruturalista, embora mantenha a análise da imagem através dos seus conteúdos denotativos e conotativos, afasta-se de Barthes ao afirmar que o signo icónico é suscetível de ser decomposto em unidades menores para serem analisados separadamente. No que concerne à imagem, distingue três níveis: o icónico, que se situa no plano da denotação e inclui os dados concretos da imagem ou os elementos gráficos que representam o objeto de referência; o iconográfico, no plano da conotação, referindo-se ao uso de sinais convencionais relacionados com um contexto cultural; e o tropológico, composto por figuras de retórica aplicadas à comunicação visual. Porém, ao alargar o conceito de semiótica, substituindo-o por pansemiótica, Eco propõe a abrangência do estudo a todos os aspetos da vida cultural e social, incluindo os objetos, e confirma o conceito de função-signo, ou “signo-objetual” (Eco, 1985, 37).

Também na continuação do pensamento de Barthes, para quem “o nascimento do leitor se fazia à custa da morte do autor” (1977, 148), Eco acentua o papel determinante do recetor na análise da obra literária ou artística e define. Toda a obra é polissémica e aberta, atribuindo-lhe um valor heurístico provisório. “«Abertura» […] é a garantia de um tipo de fruição particularmente rico e surpreendente, que a nossa civilização persegue como um dos seus mais preciosos valores, dado que cada aspeto da nossa cultura nos convida a conceber, sentir e ver o mundo como possibilidade.” (Eco, 1989, 104) Ou seja, é ao recetor que compete completar o sentido, de acordo com o seu universo pessoal de preconceitos, memórias, experiências e motivações.

Assim sendo, Barthes e Eco, em particular através dos conceitos de função-signo e de obra aberta, confirmam a aplicação da teoria semiótica ao design e ao cumprimento da sua da etimologia relativa ao signo.

Referências bibliográficas:
Barthes, R., & Heath, S. (1977). Image, music, text. London: Fontana.
Eco, U. (1985). Il segno. Milano: Mondatori.
Eco, U., Cancogni, A., & Robey, D. (1989). The open work. Cambridge, Mass: Harvard University Press.
Morris, C. W. (1946). Signs, language and behavior. New York: Prentice-Hall.
Peirce, C. S., & Peirce Edition project (Ed.) (1998). The essential Peirce: Selected philosophical writings (v. 2). Bloomington: Indiana University Press.
Santaella, L. (1983). O que é semiótica. São Paulo: Brasiliense.
Saussure, F., Bally, C., Sechehaye, A., & Mauro, T. (1995). Cours de linguistique générale. Paris: Payot.

Fonte da imagem:
Banner: http://www.jasmology.com/blog/wp-content/uploads/2013/12/fornasetti-viso-e-fondo-marino2.jpg

Cite this article as: Roque, Maria Isabel, "Design, a outra ciência dos signos," in a.muse.arte , 2015/11/07, http://amusearte.hypotheses.org/1075.

1 comentário a “Design, a outra ciência dos signos

  1. Pingback: Relação Triádica do signo, Segundo C.S Peirce – Semiótica da Comunicação visual

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *