#HDPT2015 Humanidades Digitais num relance

No rescaldo do “Congresso de Humanidades Digitais em Portugal” (Universidade Nova de Lisboa, 8-9 out. 2015), firma-se a ideia de que a investigação em Humanidades alterou os parâmetros em função da tecnologia digital. Neste, que foi o primeiro congresso sobre o assunto em Portugal e com dimensão internacional, assistimos a múltiplas reflexões sobre o impacto do digital e à apresentação de projetos neste domínio, que geraram debates, umas vezes, convergentes, outras, em acesa controvérsia, confirmando a atualidade do tema e a oportunidade do congresso.

Congresso de Humanidades Digitais em Portugal, UNL, 2015 Foto: Daniel Alves, 2015

Congresso de Humanidades Digitais em Portugal, UNL, 2015: conferência de abertura por Maria Clara Paixão de Sousa
Foto: Daniel Alves, 2015

Fica-nos a ideia de que a investigação usa a tecnologia digital para desenvolver projetos inovadores, abordar antigos temas de estudo em perspetivas inéditas e encontrar novas vias de análise, introduzindo uma metodologia quantitativa em campos de estudo convencionalmente qualitativos. Vimos – sem ter assistido às conferências no âmbito dos estudos literários e de linguística – novas formas de organizar e de visualizar a informação, propostas de disseminação do conhecimento junto de comunidades que não constituem públicos-alvo habituais, análises georreferenciadas aplicadas a temas de História e de Literatura e representações espaciais, propostas dinâmicas e interrelacionadas para o processamento de arquivos, ferramentas de aprendizagem colaborativa multimodal aplicados ao ensino, projetos imersivos de mediação cultural em museus e instituições patrimoniais através da modelação e virtualização das coleções, experiências de second life em bibliotecas, práticas de recolha e processamento do património tangível e intangível… Este é o lado positivo de um admirável mundo novo.

apresentação de Bruno Eiras e Miguel Mimoso Correia, na mesa moderada por Paula Simões. Foto: MIR, 2015

Congresso de Humanidades Digitais em Portugal, UNL, 2015: apresentação de Bruno Eiras e Miguel Mimoso Correia, na mesa moderada por Paula Simões.
Foto: MIR, 2015

Em contrapartida, há projetos com um fraco índice de sustentabilidade que, além de não terem continuidade para lá do subsídio que os sustenta na fase de implementação, não evoluem tecnologicamente, deixando de estar acessíveis. Este terá sido um dos principais problemas detetados: a falta de persistência e de preservação da informação. Ouvimos falar de projetos que se perderam porque a informação deixou de estar disponível em linha sem terem sido acauteladas cópias de segurança. Houve, além disso, alguns projetos nitidamente obsoletos, que dissimulam procedimentos arcaicos através de uma finalização tecnológica, e outros que se deixam levar pela ilusão da tecnologia, sem acautelar os procedimentos convencionais de validação das fontes. Porém, nestes, registou-se a acutilância do debate e do sentido crítico que atestam, de formam muito positiva, a vitalidade e a consolidação das Humanidades Digitais.

Uma das discussões recorrentes foi em torno dos programas em open access em relação aos programas proprietários, nomeadamente, no que se refere à persistência e preservação da informação. Ou, numa vertente, mais deontológica, acerca da liberdade de escolha da tecnologia face à imposição das instituições e das grandes marcas, isto é, acerca da forma como a indústria molda o indivíduo e, por conseguinte, o investigador.

Dan Cohen: "enabling (re)use" Foto: Dália Guerreiro, 2015.

Dan Cohen: “enabling (re)use”
Foto: Dália Guerreiro, 2015.

A provar que esta é uma via inevitável de investigação, a conferência de encerramento “Large-scale digital collections as the foundation for new forms of research”, por Dan Cohen, diretor da Digital Public Library of America (DPLA), salientou a convergência de tratamento das várias tipologias documentais (e patrimoniais), sejam arquivísticas, bibliográficas e museológicas – e, aqui, não posso deixar de registar o que mudou nestes últimos 15 anos, lembrando que parecia uma utopia quando falávamos (a Dália Guerreiro e eu) nesta possibilidade na Estrutura de Projeto do Inventário do Património Cultural Móvel, onde trabalhávamos em finais da década de 1990. O facto de a DPLA ter nascido depois da Europeana e de haver uma saudável cooperação entre ambos os projetos permitiu evitar erros que já tinham sido detetados e corrigidos e aproveitar soluções e estratégias que se haviam provado eficazes. A lição de Dan Cohen assentou precisamente nas metodologias colaborativas que sustentam a biblioteca digital, congregando coleções dispersas que apenas se reúnem no espaço virtual.

Dan Cohen: culture collage Foto: Dália Guerreiro, 2015.

Dan Cohen: culture collage
Foto: Dália Guerreiro, 2015.

Se o programa do Congresso anunciava que “Dan Cohen will explore these possibilities, and how a large-scale Portuguese collection could be constructed”, acabou por ser mais do que isso, ao explorar as vantagens da livre disseminação da informação e do estímulo a uma utilização aberta dos seus conteúdos. É neste sentido que falámos de “lição”, quando, ao longo do Congresso, formos constatando (ou confirmando) as limitações que as instituições patrimoniais em Portugal impõem ao acesso e ao (re)uso das suas coleções.

A transversalidade das estratégias colaborativas parece ser um dos aspetos mais interessantes desta mudança de paradigma que se anuncia na investigação em Humanidades: as possibilidades de acesso e de processamento das fontes; a colaboração direta, mesmo que à distância, entre investigadores de diferentes disciplinas; as modalidades interativas de comunicação e disseminação do conhecimento.

No rescaldo deste congresso, impõe-se, por fim (“at last, but not least”) felicitar Daniel Alves, Manuel Portela, Rita Marquilhas e Dália Guerreiro, não só pela iniciativa, como sobretudo pela forma como o planearam, organizaram, dinamizaram e levaram a cabo esta reunião alargada, propiciando um debate cada vez mais urgente e imprescindível sobre Humanidades Digitais.

Fotos acedidas em https://congressohdpt.wordpress.com/fotos/

Cite this article as: Roque, Maria Isabel, "#HDPT2015 Humanidades Digitais num relance," in a.muse.arte , 2015/10/11, http://amusearte.hypotheses.org/1047.

 


2 comentários a “#HDPT2015 Humanidades Digitais num relance

  1. Pingback: #HDPT2015 – Conference Digital Humanities in Portugal | Bibliotecas e humanidades digitais

  2. Pingback: #HDPT2015 | Bibliotecas e humanidades digitais

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *