#HDPT2015 Simplesmente Humanidades

Digital Humanities is just the humanities of the present day.
Alex Raid

Maria Clara Paixão de Sousa, Professora da Universidade de São Paulo, apresentou esta epígrafe na conferência de abertura do Congresso das Humanidades Digitais em Portugal. Depois, Manuel Portela observou que, tal como não se falou de “humanidades tipográficas” no século XV, também é provável que o termo “digitais” venha a cair porque, naturalmente, toda a investigação em Humanidades se apoia na tecnologia digital, de forma mais ou menos essencial.

Apresentação de Maria Clara Paixão de Sousa, na mesa com Rita Marquilhas Foto: MIR, 2015.

Apresentação de Maria Clara Paixão de Sousa, na mesa com Rita Marquilhas
Foto: MIR, 2015.

Fica cada vez mais nítido que algo está em profunda mudança no âmbito da investigação. Não se trata, apenas, da transposição de suportes do analógico para o digital, mas da capacidade de aquisição, processamento, divulgação e recuperação da informação. Alguns métodos de investigação sucumbiram face ao desempenho possibilitado pela tecnologia digital que, por seu turno, possibilita novos métodos e estratégias de pesquisa. Foi, ainda, Maria Clara de Sousa que falou do desafio que as Humanidades Digitais coloca às universidades e ao sistema académico convencional, enquanto se abre o debate acerca da consistência do fenómeno digital e da persistência do seu impacto.

Não obstante, pôde depreender-se da maioria das comunicações que a investigação hoje, assenta na articulação dinâmica entre vários domínios do conhecimento que, tradicionalmente, se desenvolviam em redutos estanques, em particular na interação entre os investigadores de humanidades e de tecnologia digital, apesar dos eventuais descompassos e desacertos desta relação. Parafraseando José Luís Borbinha e, depois, Alice Santiago Faria, não se trata de adequar as exigências das humanidades às propostas do digital, mas buscar na tecnologia uma resposta que se adeque às crescentes exigências da investigação.

É também uma questão de equilíbrio que se procura na gestão da informação. Há novos processos de análise das fontes, mas o aumento exponencial dos dados disponíveis pode introduzir ruído na informação, exponenciando a dificuldade em destrinçar a informação relevante da informação supérflua e marginal. O recurso a novas ferramentas de análise, processamento e apresentação dos dados não dispensa os procedimentos convencionais de heurística, crítica e hermenêutica e acrescenta-lhe, como referiu Maria José Almeida, a necessidade de normalizar a organização e o tratamento dos dados e de uniformizar as nomenclaturas e as tipologias.

No contexto deste paradigma de mudança, onde se posicionam os museus?

Tomando como sinal as apresentações neste Congresso, poderíamos dizer que bem e mal.

Se considerarmos o (fraco) volume de comunicações neste domínio, face à presença da linguística, da história, das bibliotecas ou dos arquivos, os museus portugueses continuam alheios à inovação. Se considerarmos as comunicações apresentadas e o debate que suscitaram, há aqui inequívocos indícios de que algo está a mudar.

Apresentação de Maria Vlachou Foto: Dália Guerreiro, 2015

Apresentação de Maria Vlachou
Foto: Dália Guerreiro, 2015.

Maria Vlachou, diretora da Acesso Cultura, numa comunicação intitulada “Digitally, more accessible and humane”, defendeu que a tecnologia digital pode aumentar o acesso às instituições culturais e respetivos acervos e apresentou uma série de projetos inovadores, experiências criativas e imersivas, novas formas de ver, aprender e sentir. Ficou-nos a ideia de que a tecnologia, mais do que uma ameaça, é uma oportunidade de acessibilidade e de aproximação entre as instituições e as suas audiências.

Apresentação de Paula Medori Foto: Dália Guerreiro, 2015.

Apresentação de Paula Medori
Foto: Dália Guerreiro, 2015.

Na conferência intitulada “Novas tecnologias e redes sociais: comunicar o Museu Nacional de Arte Antiga”, Paula Brito Medori, do serviço de comunicação do museu falou das estratégias comunicacionais que aí têm vindo a ser impulsionadas, tendo em vista uma maior e efetiva aproximação ao público. Houve quem questionasse a definição de uma política de mediação cultural, mas – através do que foi sendo dito e do que se subentendia para lá do que era expresso – tornou-se evidente que a esta se estruturava através do difícil equilíbrio entre as contingências organizacionais e a manutenção de uma comunicação ativa assente em meios mais imediatos e com maior retorno.

Em ambas as participações, sobressaiu um denominador comum, expresso por Maria Vlachou, implícito no discurso de Paula Medori: a aproximação da instituição ao público individualizado, a criação de espaços de diálogo e interação que trazem o museu para o quotidiano do visitante comum. O conteúdo intelectual do discurso museológico complementa-se através de novas realizações emocionais. O museu torna-se um espaço de experiências pessoais e imersivas que aproximam o indivíduo da arte, do património e da cultura, em novos moldes mais informais e mais diferenciados.

Através do digital, os museus humanizam-se. Simplesmente, tornam-se humanos.

Cite this article as: Roque, Maria Isabel, "#HDPT2015 Simplesmente Humanidades," in a.muse.arte , 2015/10/09, http://amusearte.hypotheses.org/1040.

 


5 comentários a “#HDPT2015 Simplesmente Humanidades

  1. Pingback: #HDPT2015 – Congresso de Humanidades Digitais em Portugal | Bibliotecas e humanidades digitais

  2. Muito bom esse relato do evento! E for realmente excelentes as reflexões sobre os museus, estive em duas mesas e aprendi muito. Fico grata aos organizadores, aos que apresentaram seus projetos, e agora a você pelo relato.

    • Obrigada pelo comentário, Maria Clara.
      Aprendi no Congresso, com a apresentações e com os debates que se seguiram. Permita que destaque a sua apresentação, pela forma como sistematizou a questão em torno das Humanidades Digitais, e a felicite por isso.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *