Mário Rita, “le voyeur” no caminho da luz

Exposição “Les Voyeurs”, de Mário Rita
Lisboa, Miguel Justino Contemporary Art, 24 set. – 24 out. 2015

São para mim verdades do Homem que se renova […] pela singularidade que alguns conseguem ver. Esses tenho a certeza que levam na frente a Luz.
Mário Rita, 2015

Em Mário Rita, sobressai a força com que liberta o seu universo introspetivo na linha, no traço, nas manchas, no gesto subentendido. Entre o abstracionismo mais minimalista, o figurativismo e o neoexpressionismo mais intuitivo, Mário Rita exercita a capacidade do desenho a carvão nas representações de figuras fragmentadas ou intersecionadas, em que se misturam pinceladas fluídas de cor e colagens, velaturas e opacidades, ou, nas obras mais recentes, experimentando materiais inéditos como as colchas de seda cujas texturas e padrões que se insinuam sob a pintura. No desenho, ou na pintura, o impulso intuitivo do gesto predomina sobre a geometria da composição.

Exposição "Les voyeurs", 2015.

Exposição “Les voyeurs”, 2015. Foto: Mário Rita, 2015.

Nesta exposição cruzam-se – e interpelam-se mutuamente – duas narrativas distintas. Os voyeurs são rostos a folha inteira, fragmentados, delineados ou com manchas sobrepostas a definir semblantes que se mantêm indistintos e herméticos, com olhos abertos, fechados, vendados, ou descobertos, impositivos no espaço que ocupam e pela forma como nos fitam, mesmo se não nos olham e se retêm no limiar do mistério. O expressionismo lírico que é comum na obra de Mário Rita está aqui por inteiro, nestes rostos introspetivos e melancólicos, para lá do que é imanente. Não sabemos quem são, mas representam-nos e desvendam-nos na intimidade do que somos. Não será em vão, mesmo que não tenha sido intencional, que o rosto escolhido para o convite da exposição tenha a testa manchada de azul índigo, clarividente e iluminada…

Le voyeur Mário Rita, 2015

Le voyeur
Mário Rita, 2015
Foto: Valdemar Ricardo Alves, 2015.

São estes voyeurs que dão o título à exposição, numa manobra de diversão que quase nos distrai do essencial. Os voyeurs assistem e conduzem-nos à observação do registo religioso.

Numa abordagem inédita, Mário Rita debruça-se sobre temas de iconografia religiosa, de matriz tradicional cristã, redesenhando os símbolos e os mistérios segundo um imaginário pessoal, único e inédito. A espiritualidade transita entre o convencionalismo dos títulos e a reconfiguração das cenas: Anunciação; Entrada no templo; Gólgota; Crucificação; Descida da cruz I e II; Pietà; Ressurreição. Traça um itinerário entre o anúncio e o ingresso no mundo espiritual, numa reinterpretação do ideal de peregrinatio, um arquétipo universal da antropologia religiosa, concebido como um ritual de expiação para alcançar o sobrenatural, o espaço para lá da realidade profana do nosso quotidiano. As obras encerradas em caixas acrílicas, quase inaparentes, ainda que óbvias e refletoras do observador e do ambiente, ao impor uma separação sem possibilidade de transgressão, reforçam esta referência ao sagrado.

Gólgota Mário Rita, 2015 Exposição "Les Voyeurs"

Gólgota
Mário Rita, 2015
Exposição “Les Voyeurs”
Foto: Mário Rita, 2015.

A curadoria intervém na narrativa ou propõe uma leitura coletiva das obras expostas: o final de cada corredor/passagem, o epílogo da deambulação, configura-se como o expoente deste percurso espiritualizado.

Na primeira parte, a Entrada no templo, é um portal luminoso, dourado, atravessado por uma figura ascensional e mantendo à margem o perfil de uma cabeça, numa atitude de recolhimento e aceitação. O contraste entre o inferior e o superior, entre o profano e o sagrado, encontram aqui uma nova simbologia entre os pés enormes, descalços e telúricos e o diáfano vestidinho branco de menina.

Entrada no templo Mário Rita, 2015 Exposição "Les Voyeurs"

Entrada no templo
Mário Rita, 2015
Exposição “Les Voyeurs”
Foto: Valdemar Ricardo Alves, 2015.

Este percurso iniciático culmina na apoteose branca da última sala, transfigurada num espaço teofânico, o lugar da luz que advém das colchas brancas com figuras delineadas a negro para a representação das cenas-tríptico Crucificação, Descida da cruz e Ressurreição. A figura angulosa do crucificado, suspensa em duas hastes verticais, numa evidência de queda e morte, não precisa da cruz, nem dos sinais de ferida e sangue, para evocar o sofrimento de uma absoluta solidão. A gestualidade mórbida, quase dançante, do corpo desfalecido, dobrado sobre si próprio, ao ser descido da cruz, confirmam esse solitário regresso ao início uterino. A figura torna-se quase incorpórea e desmaterializada no registo da ressurreição, a mais sublime e in-humana de todas as representações.

Descida da cruz Mário Rita, 2015 Exposição "Les Voyeurs"

Descida da cruz
Mário Rita, 2015
Exposição “Les Voyeurs”
Foto: Mário Rita, 2015.

Crucificação; Ressurreição Mário Rita, 2015 Exposição "Les Voyeurs"

Crucificação; Ressurreição
Mário Rita, 2015
Exposição “Les Voyeurs”
Foto: Mário Rita, 2015.

Completa-se o ciclo do percurso iniciático do “iluminado-humano-voyeur” ao “iluminado-espírito”. Para lá da angústia pressentida nalguns rostos, a deambulação por estas obras é um processo de íntimo (re)encontro, sereno e pacificado, ao encontro da luz, ao reencontro da epígrafe colhida nas palavras do artista.

Para trás ficaram alguns apontamentos de extraordinária e meticulosa execução: a mão da Pietà, o olhar de um voyeur, a face de outro…

Descida da cruz II Mário Rita, 2015 Exposição "Les Voyeurs"

Pietà
Mário Rita, 2015
Exposição “Les Voyeurs”
Foto: Valdemar Ricardo Alves, 2015.

Descida da cruz II (detalhe) Mário Rita, 2015 Exposição "Les Voyeurs"

Pietà (detalhe)
Mário Rita, 2015
Exposição “Les Voyeurs”
Foto: Valdemar Ricardo Alves, 2015.

A capacidade do desenho aponta para a progressão de um destino artístico que não se confina à ideia ou ao conceito e se materializa na expressão gráfica e na modulação compositiva. O artista é pintor, em essência e em substância, reinventando-se na sua linguagem estética em constante e renovada atualização. Em constante e renovado aperfeiçoamento.

Atelier do pintor Foto: Mário Rita, 2015

Atelier do pintor
Foto: Mário Rita, 2015.

Como é costume em exposições de arte contemporânea, não há qualquer intervenção hermenêutica, para lá do texto do próprio Mário Rita na folha de sala. E, no entanto, a experiência resulta criativa e imersiva pela forma como envolve o recetor e o promove em agente ativo da mensagem: é através da leitura pessoal e íntima que a obra se cumpre e completa, tornando-nos a cada um de nós, simples espetadores, participantes do ato de criação.

Imagens cedidas por Mário Rita.

Cite this article as: Roque, Maria Isabel, "Mário Rita, “le voyeur” no caminho da luz," in a.muse.arte , 2015/09/27, http://amusearte.hypotheses.org/1007.

 


2 comentários a “Mário Rita, “le voyeur” no caminho da luz

  1. Esta exposição do Mário Rita é de facto espectacular. No sentido que grita para o interior “de si”, ou do “eu/nós”, e na intimidade. No entanto, a meu ver, longe do espectacular mundano, apesar do título “les voyeurs” indicar o contrário.
    Parabéns Mário

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *